Gestão de Pessoas

Investimento em Desenvolvimento

28 abr 2020 • por Impulso Consultoria • 0 Comentários

Funcionários bem treinados e o impacto no resultado das empresas

É fato que o sucesso das empresas está intimamente relacionado ao desempenho de suas equipes. Quanto maior o alinhamento com a cultura, o engajamento, e quanto mais bem treinados estiverem os funcionários, melhores serão os resultados obtidos pelas empresas.

E se por aqui já nos dedicamos a falar sobre cultura organizacional e engajamento, neste momento vamos nos dedicar a analisar a forma como as empresas têm conduzido suas práticas relacionadas ao desenvolvimento de pessoas [treinamentos em geral]. Neste sentido, os dados do estudo “Panorama de Treinamentos no Brasil”, revelam que no ano de 2019 a média de investimento em treinamento e desenvolvimento por funcionário, praticada pelas empresas foi de R$ 652,00, o que significa uma redução de 13% comparado com o ano de 2018. Já com relação ao volume de treinamentos realizados por funcionário, a média é de 15 horas, o que representa uma queda de 17% em comparação com o ano anterior.

A pesquisa reflete o que ainda hoje é a realidade em muitas empresas quando o tema é o desenvolvimento: ou este é um dos primeiros itens a ser banido do orçamento para redução de custos – quando nesse caso, deveria na verdade, ser uma das armas na batalha da retomada do crescimento – ou apenas decide-se por não investir na capacitação dos funcionários por receio de prepará-los para o mercado, ou seja, receio de que quando o profissional estiver no auge da produtividade e do desenvolvimento vá embora levando para o concorrente o conhecimento proporcionado pela empresa. O fato é que pensamentos como esses fazem com que as empresas permaneçam estáticas, agindo apenas como observadoras dos movimentos – cada vez mais rápidos – do mercado e da ascensão dos concorrentes, sem serem capazes de reagir adequadamente.

Quando o desenvolvimento da equipe é visto como despesa [que deve ser evitada continuamente], o aprendizado acontece apenas por meio das experiências adquiridas no dia-a-dia, ou seja, através do método de tentativa e erro, o que pode comprometer tanto o desenvolvimento do funcionário quanto os resultados da empresa. Por outro lado, quando é visto como investimento, a capacitação dos profissionais passa a acontecer de forma constante e de acordo com as necessidades dos funcionários e das empresas, de forma coordenada, o que resulta em uma geração expressiva de know-how interno , fazendo com que aumentem as chances de se obter melhores níveis de desempenho e engajamento dos funcionários, e portanto, aumentem também os resultados obtidos.

Um bom exemplo sobre como coordenar as demandas da empresa com as necessidades de desenvolvimento das equipes pode ser observado na Duratex, que é um dos maiores produtores de painéis de madeira e louças e metais sanitários do Hemisfério Sul. A fim de expandir e diversificar o negócio, um dos objetivos da empresa é de inaugurar no ano de 2022, em parceria com uma indústria austríaca, a maior fábrica de celulose solúvel do mundo. Paralelo a esse projeto, a Duratex tem o desafio de capacitar e engajar seus funcionários sobre as 45 metas de sustentabilidade já desenhadas e previstas somente para 2025. E por lá o desenvolvimento dos funcionários está a todo vapor!

Para desenvolver as equipes, a empresa elaborou um programa de educação através de uma plataforma online chamado Ciranda D  que tem como objetivo disseminar entre os funcionários os temas da Estratégia de Sustentabilidade assumida pela empresa, onde os funcionários que mais se engajarem nos treinamentos serão reconhecidos através de pontuações em uma moeda virtual que posteriormente poderá ser trocada por prêmios. Além disso, desde 2017 a Duratex mantém o programa Agente da Gente, que capacita os funcionários para que se relacionem com as comunidades dos arredores da empresa, e por meio da escuta ativa “possam identificar e dar andamento interno a oportunidades, necessidades e expectativas das pessoas que vivem no entorno da Duratex”.

Assim como a Duratex tem feito, o plano de treinamento e desenvolvimento dos funcionários somente terá impacto positivo sobre o negócio se estiver alinhado com os objetivos estratégicos da empresa, o que pode ser verificado durante a elaboração do Levantamento das Necessidades de Treinamento [conhecido como LTN], que identifica e confronta o nível das competências atuais com o que é desejado de acordo com os desafios emergentes e de longo prazo.

Sendo assim, fica evidente que o ponto comum entre a Duratex e outras empresas que são líderes em seus segmentos de atuação e que possuem resultados expressivos é o entendimento de que ter um excelente time – isto é bem treinado – é o que faz com que os resultados sejam excelentes, e que a despeito de outros ativos, o capital humano ainda é o maior e melhor diferencial competitivo de qualquer empresa, e portanto, merece receber investimentos significativos e contínuos afim de garantir o sucesso das empresas ao longo dos anos.

*Este texto foi escrito pela equipe da Impulso Consult. Fique à vontade para compartilhá-lo, não se esquecendo de incluir os créditos ao autor.

Comente Aqui
Posts Anterior
Próximo Post