Gestão Estratégica

Revisando o seu OKR antes de partir para a AÇÃO

20 ago 2019 • por Impulso Consultoria • 0 Comentários

No último texto aqui do Blog falamos sobre como definir OBJETIVOS e RESULTADOS ESPERADOS para um curto período tempo [um trimestre ou semestre] e deixamos à sua disposição uma planilha para esquematizar o seu OKR de forma fácil e simplificada.

A ideia era que cada um refletisse sobre o que é de fato RELEVANTE para sua jornada, seja você um empreendedor, um empresário ou um colaborador de alguma empresa. Agora, com suas planilhas de ORK em mãos e devidamente preenchidas, propomos que você faça uma última análise, considerando os pontos abaixo aportados por John Doerr e Andy Groove sobre a metodologia OKR1.

Doerr menciona em seu livro alguns pontos fundamentais apontados por Andy Groove2 para fazer com que o OKR funcione, e queremos que você conheça esses pontos para que possa avaliar o quão aderente você está com a metodologia. Seguem abaixo os pontos:

  • Menos é mais: já falamos sobre este ponto no post anterior. Uma boa definição de objetivos deixa claro para todos os envolvidos para quais assuntos/projetos a empresa dirá SIM e para quais ela dirá NÃO. Nesse ponto, é importante ressaltar que quando mencionamos que todos devem estar cientes, pressupõe-se uma COMUNICAÇÃO transparente e assertiva. De acordo com Doerr, esse é um superpoder que garantirá Foco e Compromisso com as Prioridades.
  • Definir metas de baixo para cima: metas que vem de cima [feitas por sócios, diretores e gerentes] dificilmente engajam os times. É fato que as equipes fazem o que precisa ser feito. Mas, já pensou como seria se ao invés de só fazer o que tem que ser feito elas fizessem aquilo que planejaram, acreditam e colocam todos os seus esforços? Se você não trabalha sozinho, pressupõe-se que formar um time seja para você tão relevante quanto saber planejar direitinho o que precisa ser feito. De acordo com Doerr, esse é um superpoder que garantirá Alinhamento e Conexão com as Equipes.
  • Não ditar regras: as empresas precisam e devem definir seus OBJETIVOS com base no seu propósito, e isso geralmente é feito pelos dirigentes [sócios, diretores e gerentes]. Contudo, equipes bem formadas, bem treinadas e bem informadas sobre os OBJETIVOS são absolutamente capazes de elaborar sua relação de RESULTADOS ESPERADOS. Isso aumenta o engajamento, o nível de esforço do time para realizar o que deve ser realizado cresce absurdamente, o trabalho coletivo se sobrepõe ao individual o que cria nas empresas uma força fora do normal para realizar projetos com excelência. As empresas que dão espaço para autonomia, dão espaço também para a sinergia que só o trabalho em grupo consegue.
  • Permaneça flexível: às vezes, ao longo do tempo, os OBJETIVOS passam a ser não tão relevantes ou práticos como quando foram escritos. Nesta hora, esteja pronto para substitui-lo. Como descobrimos se isso aconteceu? Simples: acompanhe os resultados e veja se eles fazem sentido para a empresa.
  • Ouse falhar: tenha objetivos desafiadores, que causem desconforto e que tenham riscos de não serem atingidos. Não é para ser simples. É para levá-lo a um patamar superior ao que você se encontra hoje, e isso só acontece se você se propor a realizar coisas acima da média.
  • Uma ferramenta, não uma arma: OBJETIVOS e RESULTADOS CHAVES são ferramentas para evolução da empresa e não armas para punir quem não conseguir atingir o que for proposto. Andy Groove é explicito em recomendar que OKR e remuneração estejam separados. Uma vez que você propõe grandes desafios, o não atingimento é um risco e não deve influenciar na remuneração das pessoas, uma vez que isso pode desencorajá-las de assumir riscos.
  • Seja paciente e resoluto: OKR é uma metodologia relativamente simples, mas que precisa de tempo para amadurecimento. Em geral, as empresas precisam de alguns trimestres para promover todos os ajustes necessários para que a metodologia se instale.

Com base nos pontos mencionados acima, você consegue olhar para o seu OKR verificar onde ele está aderente ou não com a metodologia? Esta é a melhor forma de você conseguir construir um planejamento estratégico assertivo. Deu certo para a Intel, para o Google, para o Youtube, e dará certo para você também!

Faz sua última revisão! Esteja certo sobre O QUE PRECISA SER FEITO e COMO ISSO SERÁ FEITO.

Nos vemos no próximo post, onde falaremos sobre como definir PLANOS DE AÇÃO de forma eficiente.

*Este texto foi escrito pela equipe da Impulso ConsultoriaFique à vontade para compartilhá-lo, não se esquecendo de incluir os créditos ao autor.

1 O texto menciona trechos contidos nas páginas 33 e 34 do Livro “Measure What Matters” escrito por John Doerr, publicado em 2018 pela Editora Penguin Business.

Comente Aqui
Posts Anterior
Próximo Post